www.circodossonhos.com | APOIO CULTURAL: www.galonegro.com

UM VEREADOR INDEPENDENTE

Alex da Piatã PSD 55 - Lider do Partido na ALBA

VIVENDO TECNOLOGIA...

UM VEREADOR INDEPENDENTE

PRF aborda ônibus com mais de R$ 1 milhão em celulares de última geração


A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu uma carga de pelo menos 300 aparelhos celulares de última geração escondidos dentro de um ônibus de turismo, na tarde deste domingo (24) em Santa Terezinha de Itaipu, oeste do Paraná.

Avaliada em mais de R$ 1 milhão, a carga foi importada do Paraguai de forma ilegal, sem o pagamento dos impostos correspondentes à operação.

Os aparelhos, que são vendidos a pelo menos R$ 4 mil a unidade, estavam escondidos sob os assentos do ônibus. O destino final seria a cidade de São Paulo (SP).

O veículo foi abordado por volta do meio-dia, em frente à unidade operacional da PRF.

Com 19 ocupantes, o ônibus não transportava nenhuma bagagem no compartimento de carga. Ao ingressar no compartimento dos passageiros, os policiais rodoviários federais logo identificaram a carga ilícita, debaixo de quase todos os bancos.

A PRF encaminhou o ônibus, a carga apreendida e todos os 19 ocupantes para a unidade da Receita Federal em Foz do Iguaçu.

Nucom - PRF/PR | Foto: Divulgação

VEJA VÍDEO: ABUSO SEXUAL INFANTIL NÃO!


Mediante aos noticiários frequentes de abuso sexual com crianças, foi desenvolvido um vídeo justamente para alertar as crianças sobre *abuso sexual* de uma forma clara e concisa. 


Pode ser mostrado para crianças a partir de 2 anos de idade sem problemas. Vamos juntos orientar os nossos filhos e alunos. A comunicação e informação pode salvar-los desses indivíduos malfeitores. Compartilhem o máximo que puderem, nosso único objetivo é proteger à quem amamos.

VEJA VIDEO: CLIQUE AQUI

POR: GN NEWS COMUNICAÇÃO

Alertar sobre a presença de blitz pelas redes sociais é crime


Uma prática bastante comum atualmente é avisar os pontos de blitz pelas redes sociais, especialmente em grupos do aplicativo WhatsApp. Mas o que boa parte da população desconhece, é que esse ato é considerado crime previsto no Código Penal e existe punição.

Outra forma de alerta bastante comum, é quando um motorista usa os faróis do carro para indicar ao condutor que vem em sentido contrário sobre fiscalização policial, eletrônica ou interdições na pista. Entretanto, o uso das redes sociais para este tipo de atitude irregular vem ganhando espaço a cada dia que se passa.


Ao alertar sobre os locais onde há policiamento ostensivo e blitz, se presta um desserviço à população. E utilizar as redes sociais para esse fim é crime, previsto em lei. Quem praticar essa ação pode ser enquadrado por atentado contra a segurança ou ao funcionamento de serviços de utilidade pública.

Existe alguma lei específica que se trata disso?

Não, entretanto, é levado em consideração duas coisas: o princípio da legalidade e a abstração das leis. O primeiro determina que para o cidadão, só é proibido aquilo que a lei define como ilícito. Logo, aquilo que não é previsto em lei, por consequência, pode ser realizado. Já a abstração das leis quer dizer que as normas brasileiras são projetadas de forma abstrata, ou seja, a análise de um ato pode ser interpretada de acordo com o texto da lei.

Então em relação ao crime de divulgar blitz, há uma lei que pode ser interpretada como uma previsão desta conduta. É o artigo 265 do Código Penal, no qual declara que atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública, é crime.

Quais as consequências desse crime?

O artigo 265 do Código Penal prevê pena de reclusão de um a cinco anos, mais multa para o condenado, com possibilidade de perder quatro pontos na carteira.

Como exemplo, em março de 2016, um jovem de 21 anos foi preso em Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo, por informar pelo WhatsApp a localização de radiopatrulha da Polícia Militar nas ruas da cidade. O rapaz foi detido em flagrante, por um policial do serviço reservado infiltrado no grupo da rede social, logo após o jovem ter postado uma foto de uma viatura da PM realizando patrulhamento. Ele foi acusado de atentado à segurança pública por divulgar informações sobre blitz através do aplicativo.

por: Brenda Licia  | brendaliciaalmeida.jusbrasil.com.br

Professora Dayane Pimentel defende que guardas municipais em todo o país tenham porte de arma


A deputada federal Professora Dayane Pimentel garantiu na manhã deste sábado (23) a guardas civis municipais de todo o País reunidos em Salvador que levará ao presidente Jair Bolsonaro e ao ministro da Justiça Sérgio Moro propostas que viabilizem o armamento dos grupamentos em todos as cidades brasileiras. A presidente do PSL na Bahia participou do I Simpósio Nacional de Guardas Municipais promovido pela União Nacional Azul Marinho (UNA), que ocorre até amanhã no Porto Bello Ondina Praia Hotel, em Ondina.


"Firmo aqui com vocês esse compromisso de defender essa causa que é justa", disse Dayane Pimentel, lembrando que a Guarda Municipal em Salvador é armada e "realiza um excelente trabalho". A líder do PSL na Bahia disse também que levará ao Congresso as reivindicações da categoria referentes à Reforma da Previdência. "Assim como os militares, os guardas municipais, enquanto agentes da segurança pública, também têm características de exposição a riscos que devem ser observadas", salientou Professora Dayane Pimentel.


"Esse evento de hoje é o reconhecimento da força das guardas municipais no Brasil", disse o presidente da UNA, Elivânio Maciel de Lima. "Não estamos aqui para afrontar o governo, mas para apresentar soluções", complementou. O comandante da Guarda Civil Municipal de Salvador, Alysson Carvalho, ressaltou que a capital baiana serve como exemplo: "Salvador entendeu o anseio da população por segurança". Carvalho referiu-se ao fato de os guardas da capital serem armados.

Por: ASCOM DEPUTADA | Crédito fotos: Ascom

Após visita, juiz reforça inocência de Lula e agradece: “Trabalhou contra corrupção”


Nesta quinta (21), uma comissão de 12 juízes federais, estaduais, do trabalho e desembargadores estiveram em Curitiba (PR) para manifestar solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Pela manhã, integrantes da comissão fizeram uma roda de conversa sobre a conjuntura do Poder Judiciário. O debate ocorreu na Vigília Lula Livre, que se mantém em frente à superintendência da Polícia Federal (PF) desde o dia 7 de abril de 2018, quando Lula foi preso. À tarde, representando a comissão, Edevaldo de Medeiros, juiz federal titular da 1ª Vara Federal de Itapeva (SP), esteve com Lula por uma hora.


“Tem um gigante ali dentro. Tem um homem muito forte e corajoso. O presidente Lula está com excelente saúde. Ele é um leão”, comparou, em conversa com militantes após a visita. “Ele não aceita outra decisão do Poder Judiciário que não seja sua absolvição”.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Medeiros falou sobre o caráter político da operação Lava Jato desde que foi deflagrada, em 2014, analisou o papel do ex-juiz Sérgio Moro nesse processo e fez uma defesa da função do Supremo Tribunal Federal (STF) como “guardião da Constituição” na atual conjuntura.

Confira os melhores momentos da conversa:

Brasil de Fato: O senhor visitou o ex-presidente Lula nesta quinta (21) representando 12 juízes. Que recado essa comissão levou ao ex-presidente?

Edevaldo de Medeiros: Nós somos uma comissão de juízes representando a Associação Brasileira de Juristas para a Democracia (ABJD). São todas pessoas que gostam muito do presidente Lula, têm muito afeto, gratidão por ele, por várias razões. Nós queremos nos solidarizar com ele, humanamente, porque a gente sabe que ele está sofrendo muito.

Eu, particularmente, tenho gratidão muito grande pelo trabalho que ele fez contra a corrupção no Brasil. A Polícia Federal nunca foi tão forte quanto foi quando ele era presidente, Ele prestigiou o Ministério Público como nenhum presidente antes dele tinha feito. Ele nomeou sempre para o cargo de procurador-geral da República o escolhido em primeiro lugar na votação da ANPR [Associação Nacional dos Procuradores da República], e isso é um grande prestígio, na minha opinião, para o Ministério Público.

Lula criou 230 varas federais no Brasil inteiro, e isso reflete diretamente no acesso à Justiça. São muitas varas, e isso também facilitou o combate à corrupção. Então, nesse sentido que a gente vem oferecer nosso abraço ao presidente Lula, de amor mesmo, e de gratidão.

O Lula foi preso no âmbito da Lava Jato. A operação tem início em 2014, ano de eleições presidenciais; em 2016, ano em que a presidenta Dilma Rousseff foi deposta, a Lava Jato tem recorde de etapas (16 fases ao longo do ano); já em 2018, o líder nas pesquisas eleitorais para Presidência da República é preso. É possível dizer que a Operação Lava Jato tinha um objetivo político desde o início?

Olha, eu tenho muita reticência com relação a essas investigações que a polícia dá nome e chama de “operações”, sejam elas quais forem.

O Código de Processo Penal não trabalha com essa entidade midiática chamada operação. Ele trabalha com investigação, e essa é a linguagem jurídica. A investigação é feita dentro de um processo penal e depois se torna um processo criminal.

Essas operações, que recebem os mais variados nomes lá dentro da polícia, têm um caráter midiático, de propaganda da Polícia Federal. É uma entidade fictícia, mas que provoca uma reação no povo, e esse parece ser o interesse.

Eu não simpatizo com isso, e nas minhas decisões nunca faço referência a esses nomes que a polícia dá. Eu faço referência ao número do inquérito, do processo.

Essa operação, chamada Lava Jato, tem inspiração na operação Mãos Limpas, da Itália. É fora de dúvida que a operação Mãos Limpas interferiu no processo político italiano, e mesmo lá não deu certo.

A Itália não é um exemplo de Estado Democrático de Direito, mas sim, é um país muito corrupto. A crítica que eu sempre fiz a esse tipo de procedimento, de copiar uma coisa de outros países, é que tem que copiar coisa que dá certo. A gente tem que copiar o que se trabalha em matéria de Direito Penal e de Processo Penal nos países que têm baixa população carcerária, onde há menos corrupção.

Agora, a antevisão de que ela teria esse viés político, eu acho que era possível diante do que aconteceu na Itália. Parece também que isso acabou se confirmando com a saída do juiz Sérgio Moro, que se torna ministro [da Justiça] do candidato que se beneficiou, vamos dizer assim, desse estado de coisas.

Como o senhor avalia a atuação de Moro enquanto juiz da operação Lava Jato e, agora, como Ministro do governo Bolsonaro?

Eu não vou fazer uma crítica direta à atuação profissional do ex-juiz, porque poderia ser uma falta de ética da minha parte. Mas vou falar de um modo genérico. A questão da idolatria que se formou em torno dele, da imagem que ele produziu de “pop-star”, eu não sou a favor. Na democracia, o que tem que brilhar são as instituições, e têm que brilhar por cumprir a lei. A sociedade brasileira é tão carente que acaba se apegando ao juiz e ao juiz combatente.

A figura do juiz combatente é contrária à Constituição, porque juiz não tem que combater a criminalidade. Quem tem que combater a criminalidade é a polícia e o Ministério Público. O juiz tem que julgar.

Quando um juiz toma a frente de uma investigação, ou se ele parece ser um juiz punitivista, ele perde a essência da magistratura, que é a imparcialidade.

Eu não estou dizendo que o juiz tenha sido parcial, o que eu estou dizendo é que as pessoas esperavam isso dele, que ele fosse imparcial.

Agora, o que ficou muito chato e pôs mesmo em dúvida a atividade dele enquanto juiz foi o fato de ele ter saído e se tornado ministro do candidato que ganhou a eleição. E ter combinado isso, inclusive, enquanto era juiz. E ter prendido um ex-presidente da República que tinha plenas condições de ganhar as eleições no primeiro turno. Então, eu acho que essa dúvida que se manifesta é uma dúvida extremamente relevante.

São autoridades internacionais e nacionais, escritores respeitados de Direito Penal e Processo Penal que põem em dúvida a atividade do juiz. O Brasil tem que se acautelar desse tipo de coisa, inclusive, do “juiz-estrela”. Eu costumo dizer o seguinte: a gente não vive em Gotham City, e juiz não é Batman. Juiz tem o papel de julgar com imparcialidade.

Enquanto ministro, Moro nomeou e revogou a nomeação de Ilona Szabó para suplência no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária [CNPCP]; propôs o chamado pacote anticrime e criou um atrito com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), por pressioná-lo a pautar a votação do pacote. O senhor entende que ele tem demonstrado dificuldade em exercer essa função política dentro do governo?

Eu acho que ele é um pouco imaturo ainda, não sabe muito bem lidar com os políticos. Então, eu acho que ele está tendo as dificuldades próprias de um iniciante, porque na política as coisas não são tão simples. Na política tem que saber pedir, tem que saber negociar, e talvez faltem a ele alguns atributos para ser um bom político.

Mas você tocou num assunto que é muito interessante, que é esse pacote “anticrime”. Isso não é anticrime: é anti constituição, porque viola diversos direitos fundamentais, visa dar à polícia uma carta branca para cometer homicídios.

A polícia brasileira é a que mais mata e a que mais morre no mundo, infelizmente. E assim é por conta do modelo que nós temos de exclusão social. Querer combater isso legitimando homicídios praticados pela polícia é uma coisa absurda, é uma coisa própria de regimes autoritários e não de Estado democrático de direito. Isso não tem nada a ver com democracia.

Eu espero que esse projeto anticonstituição não seja aprovado, sequer seja pautado para votação, porque isso é uma afronta à sociedade civilizada.

Na roda de conversa na Vigília Lula Livre, o senhor falou em defesa do Supremo Tribunal Federal [STF] e do Supremo Tribunal de Justiça [STJ]. No atual momento de descrédito das instituições brasileiras, o senhor acredita que deve ser uma pauta dos movimentos populares a defesa dessas instituições?

Eu pertenço ao Poder Judiciário e eu tenho a obrigação de defendê-lo. A instituição pode, eventualmente, fazer coisas com as quais eu não concordo, mas é minha obrigação lutar pelo direito, lutar pela instituição e protegê-la.

O STF é um fundamento da República, é o guardião da nossa Constituição. Não existe sociedade civilizada no mundo, não existe estado democrático de direito sem uma corte constitucional, sem um Supremo Tribunal Federal.

Podemos sempre criticar as instituições. Aliás, devemos criticar, porque é próprio da democracia. Mas a gente não pode falar de fechar o STF, falar de “cabo e soldado” para fechar o STF… o que é isso?

Essa gente não tem apreço pela República, não tem apreço pela democracia. E eu insisto: nós temos excelentes quadros no STF e no STJ, excelentes ministros, muito experientes, autoridades renomadas que são respeitadíssimas inclusive fora do Brasil.

Essa gente está achincalhando para poder obrigar o Poder Judiciário a fazer o que eles querem, que é interferir politicamente dentro do Judiciário, e isso é inaceitável.

Os juízes têm que se unir, porque nenhuma pessoa pode ser julgada corretamente, adequadamente, senão por uma corte imparcial, um tribunal imparcial e que não está sob pressão.

Não existe possibilidade de um julgamento livre de vício se você tem juízes amedrontados ou juízes ofendidos, escrachados pela mídia. A gente não pode aceitar que isso ocorra no Brasil, e eu repudio isso com absoluta veemência.

Edição: Daniel Giovanaz | Brasil de Fato

SUPOSTA CARTA DO COMANDO VERMELHO CIRCULA NAS REDES SOCIAIS.


Um suposto comunicado da organização Comando Vermelho que está circulando em grupos do aplicativo de mensagens WhatsApp determina que pessoas ligadas a esta organização, não podem cometer delitos a motoristas de UBER, como furtos e roubos na cidade de Cuiabá.

No comunicado é relatado que a partir da data do comunicado 20 de março. 24 bairros, em sua grande maioria na região da Grande CPA, são áreas dominantes da facção criminosa e que a prática de roubos está proibida. Na mensagem também é informado o tipo de punição que terá o infrator. MORTE!

A Polícia não confirmou se a mensagem assinada pelo “conselho do Comando Vermelho de Mato Grosso” realmente foi divulgada por membros da facção. Pelo sim pelo não a mensagem circula livremente.

SEGUE TEOR DO SUPOSTO COMUNICADO:

*LIBERDADE, RESPEITO, LUTA, JUSTIÇA E UNIÃO.* 📍

📍 *COMANDO VERMELHO, CV MT.* 📍


           *SALVE GERAL* 

 *O CV MT* , vem por meio deste; Determinar que a partir desta data, fica *PROIBIDO* *o roubo de UBER* aquele que for pego *ROUBANDO* , *tera cobrança a altura* , *chegando ate ao óbito.* Após vários incidente, onde se teve até óbito de *UBER* . Constatamos que os motoristas de *UBER* é um mero *TRABALHADOR*  tentando sustentar sua família, queremos deixar claro, que nosso objetivo, é sempre  proteger as pessoas, com menor poder aquisitivo; onde todos nossos salves, é voltando as pessoas carentes. *OBS* ; quem for pego se passando por *UBER* , e for constatado que é um *IMPOSTOR* , também terá cobrança altura pelo CV MT.

 *CONSELHO FINAL CV MT.* 

📍Cuiabá 20 de março de 2019📍

Print da Carta

Por: GN NEWS COMUNICAÇÃO


Postagens mais antigas → Página inicial